O CHAMADO DE DEUS EM NOSSA VIDA

A palavra vocação vem do latim vocare que significa chamar, e vocatio que significa chamamento. Vocação, portanto, é um chamamento ou chamado de Deus. Não existe homem ou mulher que não seja convidado/a ou chamado/a por Deus a ser mais do que é. Por exemplo, você é chamado a viver, a conviver, a servir, a crescer espiritualmente, a atingir sua perfeição de criatura (que a Igreja define como santidade).

     Podemos dizer, então, que você é uma vocação… Você é um chamado. Podemos falar de vocação à existência (viver), vocação humana (ser gente, participar da obra do Criador para ser feliz), vocação cristã (ser santo/a). Dessa forma, vocação sempre indica um chamado. E quem chama sempre deseja alguma coisa da pessoa a quem chama. Deus quer precisar de você para continuar Seu plano no mundo. Por isso, se há um chamado, deve haver uma resposta. Você pode ser chamado a participar da obra de Deus no casamento, na vida religiosa, na vida sacerdotal, ou enquanto leigo consagrado.

     Há momentos na vida em que não nos damos conta de que as coisas não acontecem por acaso na vida da gente. Há sempre um porquê que vem de longe… Muitos profetas da Bíblia, os Apóstolos, discípulos de Cristo disseram sim. Aceitaram! Começaram a fazer o caminho. Quando damos nosso sim, começamos a trilhar nosso caminho. E quem caminha assume riscos, desafios.

     Ao longo de nossa existência, perguntas do tipo “Quem sou eu?”, “De onde vim?”, “O que busco?” são bem comuns. Você já parou para pensar que você não é uma coisa, mas é alguém capaz de pensar, de crescer, de escolher, de amar e de ser amado? Você é uma pessoa, e isso significa muita coisa. Significa que você é um ser consciente, responsável, aberto à comunicação, à partilha, ao amor. Ser pessoa é ser você mesmo. É tomar decisões próprias e responsáveis, sem se deixar levar pelos outros. Nós nos iludimos achando que ser livre é fazer o que se quer. Liberdade é fazer o que se deve ser feito para o bem comum.

     Na linguagem teológica, dizemos que somos feitos à imagem e semelhança de Deus, mas não somos Deus. Muitas pessoas querem se colocar no lugar de Deus. Não reconhecem que somos, por natureza, limitados e imperfeitos. Que temos inteligência e sabedoria, enquanto que Deus é inteligência e sabedoria. Assim, nosso modo de agir deveria ser baseado na bondade, verdade, justiça e amor. Enfim, enquanto ser humano, você é chamado a ser imagem de Deus, a ser pessoa, a uma missão no mundo, a ser feliz com os outros.

     Percorrendo o caminho da nossa vocação, que devemos aceitar livremente, encontraremos a nossa realização pessoal, que nos traz felicidade. Isso se torna possível à medida que nos conhecemos e nos aceitamos, mantendo um bom relacionamento conosco mesmo; à medida que nos relacionamos bem com as coisas, servindo-nos delas para nosso crescimento físico ou intelectual, buscando viver em equilíbrio e não numa relação de dependência (ser escravo das coisas); à medida que nos relacionamos bem com as pessoas, na fraternidade, no respeito ao outro; e também à medida que nos relacionamos com Deus.

     Lembremos de Moisés, que foi chamado para enfrentar o Faraó do Egito. Sua vocação era libertar o povo que estava sendo explorado pelos capatazes do Faraó. Na sarça ardente, Deus o chama para voltar ao Egito e enfrentar o homem mais poderoso do mundo (Ex 3,1-10). Moisés ficou com medo e arrumou desculpas para escapar da vocação (Ex 3,11.13; 4,1.10.13). Às vezes, a vocação dá medo na gente. Moisés soube superar o medo e, no fim, entregou-se e realizou sua vocação. Vocação é um processo. Leva tempo. Na vida de todos nós existe uma sarça ardente.

     Importante percebermos que nenhuma vocação se repete, pois Deus chama a cada um de modo diferente, e diferentes são as respostas. Uns oferecem resistência, outros aceitam logo. Uns tem problemas e dúvidas, mas lutam com a vocação até o fim de sua vida. Outros, não têm problema nem dúvida e aceitam o chamado como o eixo de suas vidas. Uns são chamados desde a juventude, outros, só depois de velhos. Uns são chamados para uma tarefa bem limitada, outros para uma missão que envolve a vida inteira e o povo todo. Às vezes, a vocação se impõe com força irresistível, como fogo dentro dos ossos, e deixa a pessoa na revolta e no sofrimento (Jr 20,7-18); outras vezes é fonte de alegria.

     Precisamos saber crer na vocação, mesmo na escuridão, sem prova concreta, nas contradições da religião, mesmo em meio aos problemas da vida, sem desanimar. Precisamos ter coragem de aceitar a vocação, mesmo diante do perigo; achar o caminho certo para não perder o rumo da vocação. Precisamos descobrir a nossa vocação nos fatos comuns da vida, na vida familiar, nos chamados que vêm dos outros e, principalmente, no seguimento de Jesus Cristo. Vocação…Proposta de Deus…Resposta do homem…Qual a sua resposta…                 

Frei Tiago Evaristo do Vale Santos, O. Carm.

Inspirado na reflexão de Frei Carlos Mesters, no livro “Venha beber desta fonte”.